• “Memórias de um cão” em circulação pelo projeto Figurações Brasileiras

    sergipe

    O Coletivo de Teatro Alfenim inicia a última etapa do projeto Figurações Brasileiras, patrocinado pela Petrobras, com a circulação do espetáculo inédito “Memórias de um cão”. A circulação tem início em Aracaju, na sede do Grupo Imbuaça, com estreia amanhã, dia 22/07, às 20 h. A entrada é gratuita. O Coletivo ainda circula por Salvador, Maceió e Belo Horizonte neste segundo semestre de 2015. Paralelo às temporadas, o Alfenim realiza a oficina “Exercícios para uma cena dialética” voltada para atores, diretores, dramaturgos e estudantes de teatro.  Em Aracaju, a oficina acontece nos dias 27 e 28 de julho na sede do Grupo Imbuaça. Em Salvador, as inscrições já estão abertas. Para participar da oficina, os interessados deverão enviar um email para “alfenim.salvador@gmail.com”, enviando carta de intenções, breve currículo artístico, dados para contato, nome completo e artístico.  As vagas são limitadas e a oficina é gratuita. Os encontros serão realizados nos dias 10 e 11 de agosto, das 19h às 22h, no Espaço Xisto Bahia – Complexo Cultural dos Barris. Não percam!

    Para mais informações sobre as inscrições da oficina em Salvador: http://bit.ly/1gMWl5s / http://glo.bo/1f3ysVX

    SERVIÇO
    “Memórias de um cão” em Aracaju
    Temporada: 22 a 26 de julho e 29 de julho a 02 de agosto de 2015
    Horários: Qua a Sáb às 20 h e Dom às 17 h
    Local: Sede do Imbuaça – Rua Muribeca, nº4, Santo Antônio.
    Entrada gratuita. Ingressos limitados.

     

  • Memórias de um Cão estreia no dia 08 de maio

    Memorias de um cao - coro de quincas

    O novo espetáculo do Coletivo de Teatro Alfenim, Memórias de um Cão, parte do estudo da obra de Machado de Assis para propor uma abordagem crítica das estratégias de dissimulação, engodo e auto-engano que marcam no campo subjetivo e político as relações sociais do Brasil contemporâneo.

    O processo de pesquisa para a construção do espetáculo teve início em maio de 2014, com a realização do Seminário, A atualidade de Machado de Assis, que recebeu críticos e estudiosos da obra machadiana. Ao longo de 2014, o Coletivo dividiu seu tempo entre os ensaios para o novo espetáculo e a circulação de O Deus da Fortuna, pelo SESC – Palco Giratório.

    A estreia acontece na sede do Coletivo, a Casa Amarela, situada no Varadouro (veja mapa ao lado). O espaço foi especialmente reformado para abrigar o espetáculo, que fica em temporada de 08 de maio a 21 de junho de 2015.  Memórias de um Cão é parte do projeto Figurações Brasileiras, que tem patrocínio da Petrobras

    Fotor_143079599664260

  • COLETIVO ALFENIM NO PALCO GIRATÓRIO/ 2014

    O Coletivo Alfenim é o representante da Paraíba na programação do Circuito Nacional SESC – Palco Giratório/2014.

    O Deus da Fortuna percorre o país com apresentações de Norte a Sul em mais de vinte cidades. O roteiro tem início em abril em Fortaleza (CE), se encerra em novembro em Goiânia (GO), e inclui cidades das Regiões Norte, Sul e Sudeste, como Rio Branco, Porto Alegre e Belo Horizonte.   

    Em paralelo às apresentações do espetáculo, estão previstas oficinas e intercâmbios com grupos locais, além da participação do dramaturgo Márcio Marciano na programação do Pensamento Giratório, atividade formativa em que o diretor expõe os procedimentos que pautam o processo de pesquisa do Coletivo, marcado pelo princípio de uma autoria colaborativa e plural.

    Desde sua estreia em 2011, O Deus da Fortuna já realizou mais de 80 apresentações, com temporadas na cidade de João Pessoa, São Paulo e Rio de Janeiro, além de inúmeras participações em Mostras e Festivais de Teatro do país.

    A inclusão do espetáculo na programação do Palco Giratório de 2014, um dos mais importantes eventos de circulação da produção das Artes Cênicas no país, contempla o objetivo do Coletivo de levar ao público de todo o Brasil uma forma lúdica e crítica de reflexão sobre as contradições da realidade social brasileira.

    mtc o deus da fortuna-316

  • AGENDA

    Com patrocínio da Petrobras, o Coletivo de Teatro Alfenim inicia em agosto de 2013, na Fundação Casa de Cultura Companhia da Terra, em João Pessoa, a primeira etapa de Figurações Brasileiras, com temporada gratuita de seus quatro primeiros espetáculos: Brevidades, O Deus da Fortuna, Milagre Brasileiro e Quebra-Quilos.

    O título que dá nome ao projeto, Figurações Brasileiras, refere-se à tentativa de análise e caracterização dos processos históricos que determinam as contradições da sociabilidade brasileira. Compreende uma visão retrospectiva do trabalho do Coletivo desde sua origem, e a perspectiva de continuidade da pesquisa em dramaturgia e encenação.

    O repertório abre com a estreia de Brevidades, um exercício de metalinguagem que utiliza o Mal de Alzheimer como metáfora de um Teatro em decadência, porta-voz de valores esclerosados, identificados a uma classe também decadente. Não deixa, entretanto, de refletir sobre o efeito devastador que a doença provoca tanto em seu portador quanto nas pessoas de seu convívio.
    O Deus da Fortuna, segundo espetáculo da mostra, reflete em viés cômico o processo de volatilização da economia na periferia do Sistema. É uma parábola de coloração chinesa que narra a história de um proprietário à moda antiga afundado em dívidas. Obrigado a comerciar a própria filha, ele recebe a visita do Deus da Fortuna, divindade da sorte, muito popular na China. Através dos ensinamentos desse deus, o proprietário encontrará meios de incorporar-se aos modos da circulação do capitalismo financeirizado.
    O terceiro espetáculo do repertório, Milagre Brasileiro, é um experimento cênico que tem como foco o “desaparecido político”. Utilizando o mito de Antígona e referências ao Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, o espetáculo aborda os “anos de chumbo” da Ditadura Militar e reflete sobre a adesão da classe média ao golpe.
    Fechando o repertório, o Alfenim reencena Quebra-Quilos, espetáculo de estreia do Coletivo, em 2007. A peça trata das revoltas populares que sacudiram o sertão da Paraíba em fins do século XIX. Os revoltosos se insurgiam de modo desordenado e espontâneo contra o aumento de impostos, o regime escravocrata e os desmandos da classe dirigente. O pretexto era a introdução obrigatória no país do Sistema Métrico Decimal. As manifestações ocorridas recentemente em todo o Brasil dão a dimensão de atualidade do tema.

     

    SERVIÇO:
    Brevidades: agosto/setembro de 2013.
    O Deus da Fortuna: outubro/novembro de 2013.
    Milagre Brasileiro: novembro/dezembro de 2013.
    Quebra-Quilos: fevereiro/março de 2014.
    Local: Fundação Casa de Cultura Companhia da Terra (centro histórico de João Pessoa)
    Horário: Sextas e sábados às 20:00
    Classificação: Não recomendado para menores de 14 anos
    Entrada Gratuita (retirar ingressos com meia hora de antecedência).
    Contato produção: (83) 9657-0277
    Patrocínio: PETROBRAS

     

    Print

                 
%d blogueiros gostam disto: